æTudo sobre SurfSURFISTAS DO ASFALTO

“… que pena não termos mar em São Paulo…” esta frase certamente passa na mente de todo cara que curte o estilo skate longboard aqui na capital paulista. Tudo que mais queríamos era acordar pela manhã ou mesmo depois do trabalho, pegar a prancha, cair no mar e deslizar nas ondas, mas pelo menos no meu caso só consigo fazer isso uma vez por semana, e olha lá! À distância, o custo do combustível e do pedágio que é um absurdo dificulta a descida freqüente do surfista paulistano ao litoral. Então para não perder a forma, o equilíbrio e o amor pelo surf, pedi a um amigo (LUCAS PELO) shapear uma prancha de madeira compensado no formato old school anos 50, com 7’00”, coloquei um truck sidewinder com trave de 200mm(para virada rápida) e rodas com baixa dureza para a gunzeira não sair nas curvas, ta…e agora? Onde vou “surfar”? conheci um local onde skatistas já desciam no estilo dowhill, o quintal do Ipiranga, uma ladeira longa e larga de mais ou menos 500m, sem tráfego de veículos, com um bolsão enorme no final para perdermos velocidade e um lindo jardim nas laterais. Pronto! Ali estava a praia, peguei minha “bóia” e desci, depois do drop curvei meu corpo para pegar a direita na “onda” na posição frotside, deslizando minha mão no asfalto como se estivesse com os dedos enfiados na água entrei na parede e caminhei no shape até a ponta mandando um hang-five, voltei para o meio e caminhei novamente para a ponta onde finquei meus dois “pés no bico” protagonizando um clássico hang-ten bem no estilo Picuruta,woohoo!!!! Esta é minha praia!!! Como também no surf, a vaca é meio dolorida, nossos corais não cortam, mas ardem “pra burro”, mas como diz o ditado: ”quem não tem MAR, caça com ASFALTO”.

Douglas Alex Canhetti